Utilize os marketplaces para melhorar a receita de sua loja

novembro 16, 2016
Equipe Skyhub

post_blog_skyhub_novembro_usar_mktplace_para_melhorar_receita

Em 2015, a Sieve – empresa especializada em inteligência de preço – realizou um estudo onde foi possível identificar que quase 20% dos produtos comercializados nas lojas virtuais brasileiras se dão por meio de marketplace, ou seja, 1 a cada 5 produtos vendidos nas lojas virtuais brasileiras ocorrem por meio desse modelo de negócio – e a tendência é que ele cresça ainda mais.

Portanto, entrar em um marketplace é seguir uma corrente natural que tem ganhado espaço por ajudar diferentes perfis de lojistas a terem contato e exposição com um novo público e, com isso, melhorar a receita obtida pelo negócio.

Mas, o que é e como funciona o marketplace

marketplaces

Grandes marcas, como:

  • Americanas.com, Submarino e Shoptime – que fazem parte do B2W Marketplace
  • Casas Bahia, Ponto Frio, Cdiscount, Extra.com e Barateiro.com – que fazem parte da Cnova
  • Walmart
  • Mercado Livre
  • e outras…

…permitem que lojistas (online e offiline), além de indústrias e distribuidores, vendam seus produtos dentro desses grandes sites, já consolidados com o público e com um número expressivo de acessos diários, o que potencializa muito as chances de vendas.

Por exemplo, apenas o site Submarino.com recebe mais de 1 milhão de acessos por dia. Outro exemplo: juntos, os sites da B2W recebem mais de 450 milhões de pageviews mensais, gerados por mais 21 milhões de visitantes, o que corresponde a 270 maracanãs lotados – com a possibilidade de ver o seu produto.

Os outros marketplaces também chamam a atenção. O Mercado Livre é um dos sites mais acessados do Brasil, atrás apenas de Google, Facebook e alguns dos grandes portais de notícia. Já na Cnova, a Casas Bahia recebe 20 milhões de visitas mensais, Extra.com, 26 milhões e as outras marcas uma média de 19 milhões de visitas mensais.

São realmente muitas oportunidades de exposição de seus produtos e que podem ajudar a melhorar a receita de sua loja.

Investimento nesse modelo:

  • Marketing: zero
  • Tecnologia: zero
  • Setup: zero
  • Meios de pagamento: zero

O único investimento a ser feito é o comissionamento do marketplace por venda realizada.

Na prática:

  • O seller se cadastra no marketplace
  • Se aprovado, recebe as instruções de integração
  • Configura os produtos dentro dos sites
  • Começa a vender
  • Os produtos serão expostos nos sites
  • Se os itens tiverem preço e frete competitivos e as avaliações forem positivas, a loja recebe mais destaque
  • Assim que a compra for realizada pelo consumidor, o seller recebe o pedido
  • Cabe ao seller fazer toda a operação logística (receber o pedido, separar o item, emitir a nota, encaminhar o produto ao cliente – fazer a reversa, caso seja preciso)
  • O valor, já com o desconto da comissão ao marketplace, fica disponível no portal do parceiro, assim como outras informações da loja
  • O valor pode ser transferido de acordo com as regras de cada marketplace.

Como entrar no marketplace?

A empresa a entrar no marketplace e se tornar “seller” – nome dado a quem vende por essa plataforma – realiza o cadastro na página da loja que deseja expor seus produtos, preenchendo informações como CNPJ e outros dados cadastrais.

O marketplace recebe esses dados e realiza uma avaliação cadastral, para entender se o lojista tem algum fator que impeça a venda no canal. Se tudo estiver dentro das normas estabelecidas, a empresa é aprovada.

É sempre importante ressaltar que cada marketplace tem um nicho e público alvo. Por exemplo, o Submarino vende mais eletrônicos, já a Casas Bahia comercializa mais móveis.

Sim, vale estar presente em diferentes canais, pois este também é um caminho para te ajudar a melhorar a receita ampliando as oportunidades de receber novos pedidos. Apenas lembre-se que cada marca terá aderência diferente com o público e, por isso, alguns produtos podem ter maior demanda em um marketplace focado naquele produto ou categoria que você vende.

[contact-form-7 404 "Not Found"]

2 Comments. Leave new

Não é assim, fazer um cadastro e pronto.
1- Quem não tem inscrição estadual, o cadastro não aceita.
2- Quem não tem conta CNPJ , o cadastro não aceita.

Apenas estes dois itens que não sabiam, hein!!!

Responder

Olá Wilson, tudo bem?

Estamos felizes por você acompanhar nosso blog e por interagir conosco.

Quanto aos seus questionamentos, realmente os marketplaces solicitam alguns documentos para aprovar um seller, dentre eles: CNPJ, Inscrição estadual e mesmo o CNAE de varejista. Sem eles não será possível o cadastro.

Vale sempre destacar que após o cadastro, você não é automaticamente aprovado, suas informações passam por um crivo para identificação de pendências junto ao CNPJ e confirmação dos dados fornecidos.

E, como explicamos devidamente no post que você comentou, se todas as informações estiverem corretas e não houverem quaisquer restrições, o seller está apto a vender no marketplace.

Agradecemos seu comentário e vamos usá-lo para tornar nossos materiais mais ricos.

E mais um vez, obrigado por acompanhar o Blog da SkyHub.

Um abraço!

Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *