Marketplace de A a Z: como entrar no marketplace

Junho 14, 2017
Equipe Skyhub

Marketplace-de-A-a-Z-como-entrar-no-marketplace

Dando início à série de textos sobre o marketplace, vou falar sobre a entrada nos principais canais que atuam nesse modelo de negócios e, se ao final desse texto, ainda restarem perguntas, você poderá deixar suas dúvidas sobre como entrar nesses canais estratégicos para seus negócios.

Quais lojas oferecem o modelo de marketplace?

Para começar, você precisa saber quais lojas oferecem o modelo de marketplace. Hoje o mercado tem várias opções, mas as principais são:

  •  B2W – o maior e-commerce da América Latina, que atua por meio das marcas: Americanas.com, Submarino e Shoptime. Os sites da empresa recebem, juntos, mais de 450 milhões de pageviews todos os meses.
  •   Cnova – aqui estão reunidos os sites: Casas Bahia, Ponto Frio, Cdiscount e Extra. Segundo a empresa, seus sites recebem juntos mais de 65 milhões de visitas todos os meses. Apenas na Cdiscount, o marketplace já é responsável por 30% das vendas.
  •   Walmart – No Brasil desde 1995, a rede americana possui cerca de 540 lojas físicas operando em todo o Brasil. Essa força fez com que também desenvolvesse um plano para o e-commerce, e posteriormente ampliou a operação para o marketplace.
  • Mercado Livre – são 7 milhões de vendedores vendendo para mais de 21 milhões de compradores mensais.

* No caso de B2W e Cnova, ao entrar nesses canais você está apto para vender em todas as lojas online deles.

Partindo dessa análise dos canais, é necessário identificar quais fazem sentido para o seu negócio. E engana-se quem acredita que é possível vender em apenas uma dessas lojas: muitas empresas já desenvolvem estratégias que englobam os principais marketplaces.

Existem muitos desafios para esse tipo de gestão:

Controle de estoque, gestão do recebimento de pedidos e, principalmente, excelência na operação, já que seu negócio vai vender dentro das principais lojas virtuais do Brasil e que recebem grandes fluxos de visitas todos os dias.

Existe um suporte para melhorar essa gestão como, por exemplo, os oferecidos por integradores de marketplace. Eles tornam mais simples a gestão de vários canais, permitem gerenciar de forma eficaz o estoque e tabelas de frete, além de permitirem a otimização dos processos de recebimento de pedidos. Mesmo lojistas que possuem integração direta entre ERP e marketplace podem contar com integradores para que a gestão de várias frentes seja unificada e simplificada.

Documentação

Depois de definir onde vender seus produtos, será o momento de preencher o formulário de cadastro. Todos eles têm pontos em comum como a exigência de um CNPJ. Portanto, se seu negócio não está devidamente registrado, não conseguirá vender no marketplace.

Para que você esteja pronto para essa etapa, listamos os principais requisitos que você precisa para vender no marketplace, e que serão fundamentais para sua aprovação.

  •  CNPJ: como todo negócio regularmente cadastrado, será preciso possuir um CNPJ para entrar no marketplace.
  •   e-CNPJ: essa é a versão digital do CNPJ e será fundamental para a assinatura de contrato de prestação de serviço com o marketplace. Lembre-se que esses canais são plataformas de vendas para seu negócio e, portanto, precisam fazer os recolhimentos devidos. É preciso um contrato para firmar a parceria.
  •  CNAE: para vender no marketplace é preciso CNAE (Classificação Nacional de Atividades Econômicas) de varejista. Se deseja consultar a classificação de seu negócio, acesse http://cnae.ibge.gov.br/. Vale destacar que se sua loja online não estiver classificada como CNAE varejista, será preciso fazer essa inclusão em seu CNPJ. Para isso, você precisa realizá-la também no contrato social, com a assinatura de todos os representantes legais do negócio.
  •   Certidão negativa de débitos: os marketplaces também precisam se proteger e, por isso, identificam pendências no CNPJ dos candidatos a se tornarem sellers. Para evitar que sua empresa seja reprovada, é preciso se certificar de que não existem esses débitos. Para isso, acesse a página da Receita Federal e consulte sua certidão negativa de débitos.
  •  Sintegra: será preciso emitir nota fiscal para vender no marketplace, e a emissão deste documento só é possível para quem estiver devidamente registrado no Sistema Integrado de Informações Sobre Operações Interestaduais com Mercadorias e Serviços – Sintegra, que é uma central que coleta informações para os fiscos estaduais. Geralmente os marketplaces utilizam o CNPJ informado para identificar se existe esse registro. Se tiver dúvidas quanto a isso, vale sempre procurar pelo seu escritório contábil.

Esses são alguns dos documentos que serão solicitados para entrada no marketplace, e dependendo do canal, alguns deles podem ser deixados de lado e outros incluídos, embora estes sejam os principais.

Aguardando aprovação

Após o preenchimento das informações de cadastro é preciso esperar a aprovação do canal. Geralmente essa aprovação é rápida. Se algum dos documentos citados no tópico anterior apresentar divergência, você será avisado pelo marketplace e terá que correr atrás para resolver essa pendência.

O prazo para realizar uma nova tentativa também varia. Na B2W, por exemplo, o novo cadastro pode ser realizado 10 dias após a última tentativa.

Esse é o procedimento prático de entrada no marketplace e pode te ajudar quanto aos passos que deverá seguir. Para se cadastrar nos principais marketplaces do mercado, acesse:

B2W

Cnova

Walmart

Se ainda tiver dúvidas sobre a entrada no marketplace, deixe aqui suas perguntas. E não se esqueça, na próxima semana vou falar sobre integração e as regras no marketplace. Até lá!

No comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *